Bem-aventurado João Paulo II

07:00

No dia 8 de julho de 1980, ressoou em Belém do Pará a voz forte de João Paulo II: "Este momento de alegria e comunhão, nos encontra reunidos em Belém, "casa do Pão", para receber o pão da Palavra de Deus e o Pão eucarístico, Corpo do Senhor. Belém e Nazaré nos falam antes de tudo de Jesus, o Salvador, na sua vida oculta, criança e depois jovem, no cumprimento de sua missão: "Eis que venho, ó Deus, para fazer em tudo a Tua vontade" (Hb 10, 7). Belém e Nazaré nos falam da Mãe de Jesus, sempre próxima ao Filho eterno de Deus, Seu filho segundo a carne, fiel ela também no cumprimento de um papel de primeira importância no plano da Salvação divina: "Eis a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra" (Lc 1, 38)".

O local da celebração eucarística era a avenida hoje chamada João Paulo II. Na mesma avenida, será constituída a Paróquia do Beato João Paulo II, numa área de grande desafio missionário. Sabemos que um homem santo, missionário inigualável de nosso tempo, pisou esta terra e deixou aqui sementes vida cristã que frutificaram ao longo dos anos. À nossa geração cabe a responsabilidade de multiplicá-los, trabalhando para que ninguém fique privado do anúncio da Boa Nova de Jesus Cristo.

Dois diálogos me vieram à memória ao refletir sobre a beatificação de João Paulo II. Uma criança, a quem perguntei o que significa ser santo, respondeu-me candidamente: "Ser santo é assim: na hora de rezar, a gente reza; na hora de estudar, a gente estuda, na hora de brincar, a gente brinca". É verdade! Ser santo é viver bem cada momento presente, sem pressa, com serenidade. João Paulo II ofereceu ao mundo a figura do atleta e do enfermo, do intelectual profundo e do diálogo com todas as camadas da sociedade, a ternura e a firmeza, a oração, o sorriso, a convivência! Tive a alegria de ter sido por ele nomeado bispo e de encontrá-lo muitas vezes. A primeira deles, em Belo Horizonte, dois de julho de 1980, dois braços fortes sobre meus ombros e olhos profundos que enxergavam a alma. "Muito novo", dizia o Papa ao conhecer-me como reitor do Seminário. Onze anos mais tarde, ainda muito novo, fui nomeado por ele bispo, cinco anos depois arcebispo. Nele encontrei a paternidade da confiança e o estímulo à missão. Com ele aprendi a ser humano e simples, sem delongas, quando se trata de viver a vontade de Deus em cada momento presente.

Recentemente perguntei a um jovem se estava forte e santo. Jocosamente respondeu-me sim quanto à fortaleza. Sobre a santidade, disse que faltava "ensaiar o Santo", referindo-se ao canto litúrgico. Realmente a santidade precisa crescer, ser continuamente ensaiada. Não se pode perder qualquer oportunidade para mostrar ao mundo que a santidade é atual!

É de João Paulo II o ensinamento: "Colocar a programação pastoral sob o signo da santidade é uma opção carregada de consequências. Significa exprimir a convicção de que, se o Batismo é um verdadeiro ingresso na santidade de Deus através da inserção em Cristo e da habitação do seu Espírito, seria um contrassenso contentar-se com uma vida medíocre, pautada por uma ética minimalista e uma religiosidade superficial. Perguntar a um catecúmeno: "Queres receber o Batismo?" significa ao mesmo tempo pedir-lhe: "Queres fazer-te santo?" Significa colocar na sua estrada o radicalismo do Sermão da Montanha: "Sede perfeitos, como é perfeito vosso Pai celeste" (Mt 5,48). Como explicou o Concílio, este ideal de perfeição não deve ser objeto de equívoco vendo nele um caminho extraordinário, percorrível apenas por algum "gênio" da santidade. Os caminhos da santidade são variados e apropriados à vocação de cada um. Agradeço ao Senhor por me ter concedido, nestes anos, beatificar e canonizar muitos cristãos, entre os quais numerosos leigos que se santificaram nas condições ordinárias da vida. É hora de propor de novo a todos, com convicção, esta "medida alta" da vida cristã ordinária: toda a vida da comunidade eclesial e das famílias cristãs deve apontar nesta direção. Mas é claro também que os percursos da santidade são pessoais e exigem uma verdadeira e própria pedagogia da santidade, capaz de se adaptar ao ritmo dos indivíduos; deverá integrar as riquezas da proposta lançada a todos com as formas tradicionais de ajuda pessoal e de grupo e as formas mais recentes oferecidas pelas associações e movimentos reconhecidos pela Igreja" (NMI 31).

A santidade que refulgiu em João Paulo II se edificou debaixo dos braços da Cruz, junto com Maria. Em Belém, ele se referiu à Virgem Maria, recordando nossa história e nossas responsabilidades marianas: "Foi sob o patrocínio de Nossa Senhora da Graça que, por obra de intrépidos religiosos, aqui se fundou uma comunidade cristã, depois Diocese, de onde se irradiou, não sem dificuldades, o Evangelho de Cristo para esta parte norte do Brasil. E ela, a Mãe da Graça divina, acompanhava os missionários neste seu empenho e esforço e estava com a Mãe Igreja - da qual é o protótipo, o modelo e a suprema expressão - nos inícios da sua implantação nestas terras abençoadas: abençoadas por Deus Criador, com as riquezas e belezas naturais que nos maravilham; e abençoadas por Cristo Redentor, depois, com os bens da Salvação por Ele operada, e que nós agora aqui celebramos. Nesta Eucaristia, com Maria Santíssima, vamos render preito agradecido ao Pai por Cristo no Espírito Santo: agradecer a evangelização e benefícios divinos por ela trazidos; agradecer a caridade dos missionários e a esperança que os animava e tornava fortes no dilatar a fé, mediante a pregação e o Batismo àqueles que, com a vida nova em Cristo, aumentaram aqui a família dos filhos de Deus". 

Santidade feita de gestos simples! Santidade como projeto pessoal e de Igreja! Santidade aos pés da Cruz, em companhia da Santa Virgem Maria, Nossa Senhora da Graça, Nossa Senhora de Nazaré, Nossa Senhora de Belém! Trazendo à memória o porte iningualável de João Paulo II, nossa Igreja de Belém se torne cada vez mais digna de todas as graças recebidas em sua gloriosa história. 

Dom Alberto Taveira Corrêa

Compartilhe

Fundada no ano de 1758 no Distrito de Benfica, Município de Benevides, Estado do Pará. Administração: Pe. Saul Muniz, mps

Posts Relacionados

Anterior
« Prev Post
Próximo
Next Post »